Consequências do estresse durante a gravidez

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

A gravidez precoce pode ser extremamente estressante, apresenta menor probabilidade de uma mulher dar a luz à um menino e aumentar o risco de ter um parto prematuro, sugere um novo estudo. A pesquisa analisou como o stress causado por um grande terremoto (que aconteceu em 2005) afetou as mulheres grávidas no Chile. O estudo sugere que a gravidez pode ser afetada pela exposição ao estresse em si e não os fatores que muitas vezes acompanham ou causam estresse, como a pobreza.

Os pesquisadores analisaram as certidões de nascimento de todos os bebês nascidos no Chile entre 2004 e 2006, que foram mais de 200.000 por ano. Os registros de nascimento forneceram informações sobre os bebês e suas mães, incluindo o quão perto as mães viviam do epicentro do terremoto. Os autores do estudo descobriram que a exposição ao terremoto durante o terceiro mês de gravidez reduziu a proporção de nascimentos do sexo masculino para o feminino.

A proporção de nascimentos do sexo masculino para sexo feminino é de aproximadamente 51/49, em outras palavras, de cada 100 nascimentos, 51 serão meninos. As descobertas indicam um declínio de 5,8% nesta proporção, o que se traduziria em uma proporção de 45 nascimentos masculinos por cada 100 nascimentos.

Este achado pode estar relacionado à pesquisa anterior, que descobriu que os fetos do sexo masculino tendem a crescer mais do que os fetos femininos, precisam de mais recursos e da mãe, e, portanto, tem maior probabilidade de aborto espontâneo em tempos de stress. Além disso, fetos masculinos podem ser menos robustos do que os fetos femininos e podem ser menos capazes de adaptarem o seu desenvolvimento a um ambiente estressante no útero.

O estudo também revelou que as mulheres que vivenciaram o terremoto durante o seu segundo e terceiro mese de gravidez tiveram gestações mais curtas e eram mais propensas a ter bebês prematuros.

Comparação com as mulheres em algumas partes do Chile afetadas pelo terremoto, a gravidez de mulheres expostas ao terremoto no segundo mês de gestação foram de uma média de 1,3 dias mais curtos, e as gestações das mulheres expostas ao terremoto no terceiro mês de gestação foram uma média de 2 dias mais curtos. Mais de nove em 100 mulheres expostas ao terremoto no terceiro mês de gestação tiveram um bebé prematuro, um aumento de 3,4% sobre a taxa normal de cerca de seis em 100.

O efeito foi mais notável entre as meninas (um aumento de 4% em relação ao parto prematuro), se a mãe foi exposta ao terremoto no segundo mês de gravidez e um aumento de 3,8% se ele ocorreu no terceiro mês.

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Tagged: ,


Sobre

Estudante de Jornalismo, problogger e Webdesigner.


'Consequências do estresse durante a gravidez' Sem comentários

Seja o primeiro a comentar!

Gostaria de compartilhar?

Seu e-mail não será publicado.

Nutricy - 2014